Após 34 anos, Pizzaria Paparazzi fecha

Após 34 anos, a Paparazzi encerrou as atividades. Inaugurada no Corpus Christi de 1984 – o Boulevard sequer existia –, a casa foi uma aposta ousada de Sylvinho Rios, que […]

Após 34 anos, a Paparazzi encerrou as atividades. Inaugurada no Corpus Christi de 1984 – o Boulevard sequer existia –, a casa foi uma aposta ousada de Sylvinho Rios, que abriu a pizzaria numa região do Capivari onde não havia praticamente nenhum outro ponto comercial. “Foi um começo difícil”, recorda. Acontece que os frequentadores tradicionais da cidade foram descobrindo a Paparazzi e fizeram dela um sucesso.

Para se estabelecer, a casa abria todos os dias às 18h e seguia funcionando até meia noite. Já conhecida e prestigiada, a pizzaria começou a conviver com as filas de espera que juntava até 80 pessoas na temporada e feriados.

Coube à Paparazzi, também, ser a precursora das entregas a domicílio. Em 1987 quando o delivery era inexistente em Campos, a casa contava com três motos para as entregas e se moviam do Horto ao Alto da Boa Vista.

A decisão de fechar as portas decorreu da mudança de público no Capivari. “Hoje há uma guerra de preços entre os restaurantes no centrinho que tentam captar um turista que tem R$ 82,00 para passar o dia. Isso porque aquele cliente de perfil sócio-econômico e cultural elevado prefere as casas afastadas”, assinala.

Sylvinho diz que a Secretaria de Turismo tem se equivocado sistematicamente na condução do turismo. “Já vi a então secretária Glória Bravin falar orgulhosa que a cidade tinha recebido 250 ônibus num fim de semana. Só que o frequentador habitual de alta renda desapareceu do Capivari”, afirmou. Trata-se de uma situação que, segundo ele, inviabilizou o funcionamento de casas como a Paparazzi. “Tínhamos 25 funcionários e trabalhávamos com produtos de primeira. Só que rentabilidade despencou e eu não me dispus a usar produtos de terceira para ter preços vis”, assinala.

Ele ressalva que poderá reabrir a casa futuramente, caso o público habitual da casa volte a ter presença forte na cidade. “Vamos preservar a marca e alguns funcionários continuarão com a gente”, diz. Isso porque uma parte do quadro foi remanejada para a rotisserie que funciona ao lado do antigo prédio da Paparazzi. Aliás, é na rotisserie que as massas e molhos com o selo Paparazzi continuarão a ser ofertados. Já no local da pizzaria será montado um beer house ou um beer pub. No local também haverá uma microcervejaria do rótulo Campos do Jordão, bebida se destinará exclusivamente ao consumo da casa. Sylvinho também construirá uma fábrica da Campos do Jordão, mas em outra região da cidade. No entanto, todas as cervejas da marca poderão ser adquiridas na lojinha da Campos do Jordão, que ficará ao lado do beer house.

Num balanço da história bem sucedida da Paparazzi, Sylvinho faz questão de destacar o papel do Guia na trajetória da pizzaria. “Desde o começo, o Guia foi fundamental no êxito da Paparazzi, por ter focado com eficiência no ambiente da casa e no que oferecíamos E vou além: voltando 20 anos atrás, o Guia foi fundamental para o sucesso do comércio e dos hotéis que souberam divulgar-se através do guia do Ricardo”, concluiu.

(Ricardo Castelfranchi e Roberto Bretanha)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *